• Seja bem vindo ao Festival de Teatro de Curitiba 2015!
    Você pode fazer parte do Fringe com seu espetáculo!
    O período de cadastro está aberto.
    Até dia 7 de dezembro você pode registrar aqui no site do Fringe a sua proposta de projeto. Antecipe-se e garanta os melhores espaços de apresentação para sua peça!

    Para entender o Fringe, leia o Regulamento Oficial e baixe o Manual do Fringe, nele você encontra dicas importantes para uma passagem de sucesso pelo evento.

  • O Fringe está presente no Festival de Teatro de Curitiba desde a 7a edição, em 1998. É um espaço aberto, no qual os participantes têm a oportunidade de expor seus trabalhos à crítica especializada e “olheiros” reunidos para o evento. O Fringe é um espaço democrático. Isso oportuniza termos num mesmo Festival, trabalhos profissionais inovadores e montagens de textos consagrados.

    Fringe, que em inglês significa “franja” ou “margem”, é inspirado no maior festival de artes do mundo, o Fringe de Edimburgo, Escócia. O evento surgiu espontaneamente em 1947, quando companhias escocesas e inglesas que não estavam na programação do Festival Internacional de Edimburgo resolveram criar uma “fenda” pra eles. O Fringe deu certo e nós repetimos a receita aqui com a mesma função: ser um espaço democrático.

    A participação no Fringe é livre, isto é, não há uma curadoria, e depende unicamente da disponibilidade de espaço na grade de programação dos teatros. As companhias vêm ao Festival por iniciativa própria, em busca de público e crítica.

    No Fringe há também a possibilidade de grupos e companhias se reunirem para criar e apresentar mostras próprias, criando um invólucro que destaque trabalhos de linguagens ou linhas de pesquisas semelhantes. Assim como também os próprios teatros podem projetar – com a programação oferecida no evento – a sua tradição, reforçando suas vertentes e criando identidade com o público que é já cativo do espaço, formando plateia para o ano todo.

    Por ter seus trabalhos expostos à crítica especializada reunida para o evento, muitas companhias, atores e diretores, são contratados para apresentar seus trabalhos em outros locais, mostras e festivais em função da participação no Fringe.

  • O Festival de Teatro de Curitiba completa 24 edições em 2015 e há muito tempo já está consolidado no país como a grande vitrine dos artistas e companhias de teatro do Brasil e do exterior. E não é à toa que hoje a cidade é referência no cenário teatral brasileiro e tem seu espaço reservado na agenda cultural do país. Quase 4 mil espetáculos já fizeram parte dessa história, somando o Fringe e a Mostra.

    Entre teatros e outros espaços tradicionais, a cultura marca presença em barracões, ruas, praças, bares e os mais diversos locais de Curitiba. Inovador e autêntico, o Festival de Teatro de Curitiba recebe ano a ano companhias de diversos estados do Brasil e do exterior, promovendo o encontro de enorme diversidade artística e humana na cidade – ingrediente especial que faz do evento um grande sucesso.

    Há mais de quatro anos é o carro chefe de uma grande reunião de manifestações culturais, ao lado de eventos consagrados como Risorama, Gastronomix, Mish Mash e Guritiba, sob o grande guarda-chuva do Festival de Curitiba, um espaço para todas as artes que mantém o pé firme no teatro, mas reúne dança, circo, stand-up, improviso, teatro físico, gastronomia.

  • Histórico

    O Festival de Teatro de Curitiba nasceu numa mesa de restaurante. Sem saber ao certo o alcance e a força das idéias que ali surgiram, um grupo de jovens amigos dava os primeiros passos para o que viria a ser um dos mais importantes eventos de teatro da atualidade. Os estudantes Leandro Knopfholz e Carlos Eduardo Bittencourt, então com 18 e 22 anos, tinham acabado de ver a peça New York, New York, de Edson Bueno, no Teatro Guaíra e resolveram esticar a noite num dos diversos restaurantes da cidade. Enquanto escolhiam os pratos do cardápio, lamentavam o parco número de peças de teatro em cartaz na cidade. Leandro, talvez entusiasmado pelo espetáculo que tinha acabado de ver, sugeriu ao amigo que ao invés de apenas lamentar, poderiam organizar um festival na cidade. Carlos ficou na dúvida, mas Leandro lhe desarmou com um célebre "Por que não?”.

    A partir daí começou o corre-corre: campanha, patrocínios, programação e produção. Leandro e Carlos chamaram os amigos Cássio Chamecki e Victor Aronis. Em dezembro de 1991 eles promoveram a festa de lançamento do Festival, que iria estrear no dia 19 de março do ano seguinte. Ninguém acreditaria que aquela idéia, surgida em uma conversa de restaurante, seria realizada com tanta agilidade, e nem que duraria tanto.

    A Edição 1992 do Festival de Teatro de Curitiba inaugurou a Ópera de Arame e trouxe ao Paraná grandes nomes do teatro brasileiro, como Antunes Filho, José Celso Martinez Correia e Gabriel Vilella. Quando viram os convidados no saguão do hotel, os amigos sentiram um frio na barriga: "Meu Deus, olha só o que a gente fez".

    Desde então, Curitiba transforma-se em um imenso palco, onde – até a edição passada – foram apresentados cerca de 3.920 espetáculos para um público estimado em 2 milhões de pessoas.

  • Como faço para participar do Fringe?

    Qual o valor da taxa de participação para uma companhia participar do Fringe?

    Como pago a taxa de participação do Fringe?

    Como são acertados pagamentos em relação a direitos autorais?

    Todos os atores do elenco devem ter DRT?

    O Fringe fornece equipamentos de som e iluminação?

    Como é realizada a venda de ingressos para o Fringe?

    Qual a data do fechamento e depósito do borderô?

    Como funciona a assessoria de imprensa do Fringe?

    Qual a quantidade de convites cortesias da produção do espetáculo?

    Jornalistas e críticos estão liberados para a entrada nos espetáculos?

    Onde é a sede central da organização do Fringe?

    Como procedo ao chegar com a minha companhia em Curitiba?